5 razões por que a prática de ioga vai te ajudar na corrida

Evite lesões e aumente a velocidade adicionando ioga a sua rotina

Foto: Matt Rainey
Foto: Matt Rainey

Por Cindy Kuzma

1Controle da respiração

As técnicas de respiração profun­da da ioga ensinam a inspirar e expirar usando o diafragma em vez do peito, oxigenando melhor o sangue, o que, por sua vez, sus­tenta os músculos durante a corri­da. A respiração profunda também melhora a capaci­dade de estabilizar os músculos do core e do assoalho pélvico, favorecen­do passadas mais eficientes.

2Flexibilidade

A ciência ainda não descobriu quanta flexi­bilidade os corredores devem ter ou quanto alongamento é necessário para chegar lá. Mas se a rigidez nos quadris, tornozelos, tronco ou posteriores de coxa afeta sua passada, o risco de lesão aumenta à medida que você aumenta o volume de treino.

Quer começar a praticar? Estas oito posturas da ioga são ideais para quem tem pouco tempo sobrando do dia-a-dia. 

3Mindfulness

As práticas me­ditativas da ioga treinam o cérebro para focar no mo­mento presente. Com isso, quando um pensamento negativo – como “isso está difícil” – aparece durante a corrida, você consegue deixá-lo ir embora em vez de se prender a ele. O mindfulness aciona seu sistema nervoso parassim­pático, o que reduz a pressão sanguínea, alivia a tensão muscular e desacelera a respiração, ajudan­do você a correr mais rápido com menos esforço.

4Força

Quanto mais você pratica ioga, mais força funcional e controle muscular desenvolve. Postu­ras em uma perna só e torções recru­tam os músculos nas laterais dos quadris e do core. Fraquezas nessas partes – comuns em corredores – podem causar desalinhamentos que contribuem para problemas na banda iliotibial, dores no joelho e outras lesões.

5Consciência Corporal

Corredores precisam “ouvir o corpo”. A ioga amplifica as mensagens que seus músculos, articulações e membros enviam, revelando desequi­líbrios que talvez você não percebes­se de outra forma. Se a postura do pombo (mostrada na foto) é muito mais fácil de um dos lados, você sabe que tem um pro­blema – e também uma ferramenta para lidar com ele.

COMPARTILHAR