Posso dizer “Sou um Ironman!”

A minha relação com a corrida começou em 2010, logo quando terminei a faculdade e consegui um tempo para cuidar de mim. Até então a vida era muito corrida, vivia a base de lanches, pesava 91 kg, o que era muito para os meus 1.68m. Depois de um check-up que apontou vários problemas de saúde, decidi que era a hora de mudar.

Sinceramente nem eu consigo entender como essa mudança tomou conta de mim. De domingo a domingo eu ia para a academia.Em pouco mais de quatro meses, eliminei 26 kg e a grande "culpada" foi a corrida. O bichinho me picou e não largou mais, virou vício mesmo. Foi então que resolvi sair da academia e começar a participar de provas de rua com meu irmão.

Eu então pulei dos 10 km para os 15, 21, 42 km e as corridas de aventura. Fui subindo a escada de desafios em busca do"impossível". Até que um dia, no ano de 2013, vi uns caras treinando para o Ironman. “Que diabos era aquilo?”, pensei. E em seguida descobri que era uma prova de triatlo onde era necessário nadar 3.8km, pedalar 180km e no fim, correr uma maratona, 42km. Tudo em um único dia. Logo pensei: “preciso fazer essa prova”.

Desde então todos os treinos, todas as provas eram pensando no Ironman. Só tinha um problema: eu me garantia na corrida, mas não sabia nadar, tinha medo do mar e não sabia andar de bike. Ou seja, se botar em números, eu só garantia 33% da prova. Mas desistir? Jamais!

Fui para uma academia com piscina e cheguei lá, talvez o único adulto que não sabia nadar na turma. E não tinha a menor vergonha disso. Sofria para conseguir atravessar a piscina de 25m sem parar no meio para respirar. Graças a minha amada, aprendi a andar de bike (ela foi uma ótima professora!). Foi uma fase muito bacana de muitas descobertas e principalmente de superação.

Acabei indo treinar com uma assessoria focada para o triatlo e, em agosto de 2014, me aventurei em um meio Ironman (metade da distância: 1.9 – 90 – 21 km). Resultado? Fui um dos últimos a terminar a prova, pois minha bike quebrou e isso estragou minha prova. Não desisti de completar o percurso e sabia que tinha muito o que melhorar para o Ironman.

Lá fui eu para as árduas 20 semanas de preparação. Depois que fiz a prova, conclui que a verdadeira dificuldade de um Ironman está nesse período de 20 semanas. Ainda mais quando tem que juntar trabalho, vida pessoal e treinos, treinos, treinos, enfim,muitos treinos!

Se vale a pena? Vale e muito! Tudo que vivi no dia 31 de maio eu ainda não consegui explicar. Acredito que foi o dia mais feliz da minha vida quando completei o Ironman! A realização de um sonho que começou com a corrida e foi a mesma corrida que me mostrou que a vida com esporte é muito melhor, mais gostosa, mais desafiante e mais saudável.

COMPARTILHAR