Fazer abdominal ajuda a correr melhor?

Pergunte ao expert: especialistas em treinamento e saúde esclarecem algumas questões de nossos leitores

Foto: shutterstock.
Fazer abdominal ajuda a correr melhor?

Ajuda, sim. Mas não é só o abdômen que deve ser fortalecido nessa preparação para a corrida. Toda a região do abdômen, lombar, pelve e quadril – área conhecida como core – devem ser exercitados. Trabalhar essa área do corpo ajuda a melhorar a postura e a aumentar força e estabilidade. Como resultado, você se torna um corredor mais forte, mais rápido e com menos chances de se lesionar.

> Daniel Neves, treinador e diretor-técnico da assessoria DPN Run

Leia mais:

Sofro de insônia. A corrida pode me ajudar a dormir melhor?
Como deixar o longão menos monótono?

O treino intervalado (que mescla corrida rápida e lenta) emagrece mais que a corrida contínua?

Não necessariamente, já que tudo depende do total de calorias gastas em cada atividade. Tanto a corrida contínua como a intervalada podem ser realizadas em diferentes intensidades (mais rápida ou mais devagar) e tempos de execução. É isso que irá definir o quanto você emagrecerá. Mas, para o corredor iniciante, a alternância é muito importante, pois ele não consegue percorrer uma distância maior sem fazer pausas.

> Marcello Butenas, treinador e diretor-técnico da Butenas Assessoria Multiesportiva

Suo muito quando estou correndo. Isso é sinal de que o treino está fazendo efeito?

Não. A função do suor é manter a temperatura do corpo em níveis ideais. Quanto mais quente e úmido o ambiente, maiores os níveis de sudorese. Esse mecanismo também é treinável e individual, já que algumas pessoas transpiram mais que outras. O importante é manter a hidratação e se pesar antes e depois dos treinos para saber o quanto de líquido deve ser reposto durante a atividade física.

> Paulo Zogaib, fisiologista da Unifesp

Acordo, tomo café e saio para correr. O que devo priorizar nesse café da manhã?

Não é recomendável exagerar nessa refeição, já que isso pode causar desconforto intestinal, náusea e indisposição. Priorize fontes de carboidratos pobres em fibras e de índice glicêmico baixo ou moderado e pegue leve nas proteínas e gorduras (que requerem mais trabalho na digestão). Boas combinações podem ser fruta ou cereal com iogurte, torrada ou pão com geleia e queijo magro e ainda ovo e uma fruta ou suco. Essas são apenas orientações gerais, já que só um nutricionista esportivo pode fazer um plano sob medida para você.

> Janaina Goston, nutricionista especialista em nutrição esportiva

COMPARTILHAR