Brutalmente atacada, paramédica encontra força na corrida

Por Taylor Dutch, da Runner's World

brutalmente atacada 1
Foto: Rachel Sapp/Reprodução Instagram

Quando todos os músculos de seu corpo começam a pesar e a dor tenta fazer com que ela pare, Rachel Sapp continua, avançando a cada passo da trilha. Essas dores servem como um importante lembrete em todos os aspectos de sua vida. Assim como ela sobreviveu após ser brutalmente atacada, ela pode sobreviver a qualquer desafio que surja em seu caminho. E correr ajudou Rachel a ter essa coragem.

“A força que a corrida proporcionou é quase indescritível”, disse Sapp à Runner’s World.

“Correr colocou isso na linha de frente para eu saber que passei por essas situações na vida que são difíceis. Pode ser difícil agora, mas também é bonito. Também é vulnerável e eu posso estar neste lugar e experimentar todas essas coisas e é porque minhas pernas podem me impulsionar. Há algo tão mágico nisso.”

+ Com doença autoimune, mulher reaprende a andar e volta a correr

Quando tudo mudou

Tudo começou em 2017, quando ela deixava o hospital onde trabalhava como paramédica, em Denver, no Colorado (EUA). Duas pessoas a seguiram até seu carro e a atacaram, quebrando suas costelas e sua bochecha. Do estacionamento, ela foi levada de volta ao hospital.

Sapp acabou sofrendo de estresse pós-traumático do ataque. Ela se sentiu impotente e perdida, e ela sabia que não queria voltar ao trabalho no hospital.

Com o apoio de seu marido Zack, Sapp decidiu deixar seu emprego. Ela seria mãe em tempo integral, ficaria em casa com as filhas, duas meninas gêmeas de seis anos. Incapaz de escapar das lembranças dolorosas, Sapp ainda se sentia ansiosa e presa. E como mãe e esposa, ela não pôde ficar completamente só.

Então, quando o marido a encorajou a tirar um dia apenas para ela, Sapp aceitou. Esse tempo foi essencial para a Rachel, não apenas para sua recuperação, mas também para o seu bem-estar geral.

No começo, no entanto, ela não sabia bem o que fazer com todo esse tempo livre. A única coisa que sabia era que queria evitar grandes multidões. Foi quando começou a fazer longas caminhadas. Pouco depois surgiu o desejo de conhecer as trilhas da sua cidade.

“Eu pensei: ‘Por que estou apenas andando? Eu poderia estar fazendo melhor uso do meu tempo e ver muito mais se eu correr'”, ela lembrou.

Em 11 de abril de 2017, Sapp fez sua primeira corrida. Ela sofreu várias cãibras e só conseguiu chegar a meio quilômetro antes de ter que parar e andar.

“Eu não tinha ideia de como controlar a velocidade nem nada ”, disse ela. “Não havia uma época na minha vida em que eu tivesse corrido além dos momentos horríveis do ensino médio. Era tão novo, mas eu gostava que ninguém estivesse lá.”

Um dia de cada vez…

Depois do choque físico de sua primeira corrida, Sapp se sentiu tão desanimada que não foi às trilhas novamente por cerca de um mês. No seu aniversário, 12 de maio de 2017, ela deu outra chance.

Mas desta vez foi diferente. Ela estava determinada.

E funcionou – ela terminou. Embora a corrida ainda parecesse tão difícil quanto sua primeira tentativa, completá-la marcou uma mudança em sua mentalidade: ela abraçou a corrida como ponto de partida para crescer.

“É difícil tentar algo que você realmente quer ser bom e se sentir tão mal”, disse Sapp. “Mas eu acho que foi essa permissão de me deixar dizer: ‘Sim, tudo bem. Está tudo bem que você só pode correr um quilômetro de cada vez. Você vai chegar lá se você tentar.”

Sapp continuou tentando, correndo alguns quilômetros quando podia durante a semana e sempre deixando o domingo aberto para aproveitar as trilhas. Em julho, ela completou uma corrida de 12 quilômetros. Apenas oito dias depois, ela pulou na distância com uma corrida de 26 quilômetros, em uma área que inclui sete picos de mais de 13.000 pés de altitude.

E assim ela evoluiu, trilha após trilha. Sua mais recente aventura foi uma jornada transformadora de 149 quilômetros pela trilha Wonderland Trail no Parque Nacional Mount Rainier, em Washington.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Mile 13/50 pick me up 💕 #ziontraverse

Uma publicação compartilhada por rachel sapp (@map.in.hand) em

Paixão e carreira

No aniversário de um ano de sua segunda temporada, Sapp tomou outra decisão que mudou sua vida. Ela decidiu começar sua própria empresa para combinar suas paixões por educação, vida selvagem e medicina. Logo depois, o Backcountry Pulse foi oficialmente formado.

A Backcountry Pulse oferece programas de educação médica para guias de montanha em vários ambientes selvagens em todo o mundo. A equipe viaja a lugares como Equador, Nepal, Tanzânia e Peru para oferecer programas de treinamento educacional adaptados para os guias de montanha da região. Olhando para trás no desenvolvimento do Backcountry Pulse, Sapp credita a ideia à confiança e à clareza alcançadas durante a corrida.

“Eu não acho que nada disso teria acontecido sem correr. Eu realmente acredito nisso ”, disse ela.

brutalmente atacada 2
Foto: Rachel Sapp/Reprodução Instagram

Corrida e superação

Já se passaram quase dois anos desde que Sapp sofreu o ataque. Embora a lembrança da falta de esperança ainda seja dolorosa, a corrida a ajudou a se curar, a encontrar um propósito e, o mais importante, mostrou-lhe que ela tem força para superar. Quando o desafio parece intransponível, a corrida lembra que ela pode encontrar um caminho.

Traduzir a mentalidade corajosa necessária para superar a próxima colina ou a próxima milha, quando seu corpo se sente como desistir, é uma prática que Sapp tenta implementar em todos os aspectos de sua vida. Para cada milha na trilha e cada desafio que se avizinha, Sapp invoca sua capacidade de avançar, não importa quão grande seja o obstáculo.

“Correr tem sido algo que me lembra que meu corpo é forte, meu corpo é capaz, e assim é a minha mente”, disse ela.