Estratégias simples para bater seu recorde nos 42 km

Analise o percurso e procure provas com temperaturas mais amenas

Foto: divulgação/Maratona de Houston.

Por Alex Hutchinson

Em 1982, a Runner’s perguntou a seis maratonistas de elite qual seria o recorde mundial em 2050. Apenas um – Alberto Salazar, hoje um conceituado treinador – previu o tempo de 2h00min00. Previsão audaciosa? Não de acordo com a equipe científica por trás do Sub2 Project, lançado no fim de 2014 para tornar realidade uma maratona em duas horas. O projeto traz infomações que são úteis até mesmo para nós que buscamos marcas pessoais mais modestas na distância.

Leia mais:

8 dicas para ir dos 21 km aos 42 km
Conheça o corredor amador que cravou 2h33 na Maratona de Chicago

CORRA NO FRIO  

O clima que parece confortavelmente frio quando você está correndo no dia  a dia pode ser quente demais para uma prova. Em 2012, pesquisadores franceses analisaram  1,8 milhão de resultados em maratonas e descobriram que os tempos mais rápidos foram conseguidos em provas realizadas em dias com temperaturas surpreendentemente frias, entre 6ºC e 7ºC.  É claro que não podemos escolher o clima. Mas se você está esperando as condições mais próximas do ideal para seu recorde, escolha alguma prova no inverno, quando as temperaturas tendem a ser mais baixas.

ENCONTRE UM  PERCURSO RÁPIDO  

Yannis Pitsiladis, fisiologista do exercício que está à frente do Sub2 Project, visitou o Mar Morto israelense para verificar a viabilidade do local para uma maratona. Como a região está pouco mais de 400m abaixo do nível do mar, existe aproximadamente 5% a mais de oxigênio no ar, o que potencialmente pode melhorar o rendimento. Você não precisa ir tão longe, mas deve fazer mais que evitar subidas se quiser uma prova rápida.   Para chegar em um percurso veloz, é preciso analisar o clima, o número de curvas (quanto menos, melhor), a altimetria e até fatores como o estímulo dos torcedores. O site em inglês arrs.net (de “Associação dos Estatísticos de Corridas de Estrada”) analisa esses fatores e produz rankings que comparam a performance de atletas em diferentes provas. Nos Estados Unidos, Houston é o percurso mais rápido da lista, seguido por Chicago e Los Angeles.

VÁ COM OS OUTROS

De acordo com Andrew Jones, outro cientista do Sub2 Project, elaborar uma prova em que atletas de ponta corram atrás dos outros durante todo o percurso pode diminuir em dois ou três minutos os tempos da maratona. Trazendo isso para a nossa realidade, correr com um grupo (ou apenas alguns outros corredores) ditando o ritmo oferece uma vantagem similar. Você sabia que vencer a resistência do ar exige aproximadamente 2% mais energia? Mantenha-se cerca de um metro atrás do líder do grupo para maximizar os benefícios. E lembre-se de alternar posições e também tomar a frente. Seu resultado será melhor alternando do que seria correndo sozinho.

APOSTE NA LEVEZA

Os pesquisadores do Sub2 usarão sensores para medir o impacto da passada dos atletas, em uma tentativa de otimizar a marcha deles. Uma maneira mais simples de tentar melhorar sua eficiência é usar tênis mais leves. Reduzir o peso do calçado em 100g pode economizar aproximadamente 1% de energia. Mas sempre teste os tênis nos treinos mais longos para ter certeza de que você se sentirá confortável com eles durante uma maratona inteira.

SHARE