Eu corro: Tony Kanaan

Piloto da Fórmula Indy já participou de um Ironman

Foto: Chris Owens/IMS Photo 2016/Divulgação.

Depoimento a Patrícia Julianelli

Primeiro veio a bike, depois a natação e por fim a corrida. Esta começou como uma alternativa ao pedal, porque quando eu viajava não era prático carregar a bike junto. Como eu praticava as três modalidades, em 1999, o meu treinador na época, Marcos Paulo Reis, me convenceu a fazer triatlo.

Minha prova favorita é o meio Ironman, o 70.3 – já fiz cinco. Meu recorde pessoal é 5h06. Também fiz um Ironman em 12h52. Meu maior desafio foi controlar o ritmo e a paciência, pois eu competi entre duas corridas e não podia me comprometer fisicamente para a etapa da Indy que aconteceria sete dias mais tarde.

Quando estamos guiando um carro de corrida, a frequência cardíaca aumenta muito. Não
é raro ver a minha por volta de 170 bpm, por isso que o treinamento cardiorrespiratório é tão importante para o meu condicionamento como piloto profissional.

Leia mais:

Eu corro: Lara Teixeira
+ Eu corro: Dinho Ouro Preto

Normalmente não corro ouvindo música. Mas, se o treino for muito longo, começo a cantar alguma canção dos meus amigos Fernando e Sorocaba. Treino todos os dias, se estiver me preparando para um triatlo ou não. O que muda é se tenho corrida de carro no fim de semana ou não, pois preciso estar inteiro. Meu treinador faz a planilha da seguinte forma: segunda, quarta e sexta treino corrida e natação, terça, quinta e domingo eu pedalo e no sábado faço duatlo. Ajusto tudo pelo calendário da Indy.

Felizmente a minha esposa entende que os treinos são parte do condicionamento para o meu trabalho. Quando não tenho prova de automobilismo, corro quatro vezes por semana. Nos fins de semana com prova de automobilismo, depende da agenda de viagens e também do tipo de pista em que vou competir. Se for uma pista que exige muito fisicamente, meu treinador pega um pouco mais leve na planilha.

Apesar dos 41 anos, estou na minha melhor forma física e no melhor campeonato dos meus últimos seis anos. De uma coisa eu tenho certeza: ao me aposentar das pistas, finalmente vou arrumar tempo para treinar de verdade e ficar realmente bom no triatlo.

Foto: divulgação.
SHARE