Pânico: não posso correr!

Como trabalhar a mente ao ficar de molho por causa de uma lesão

Ilustração: Vinicius Capioti.

Por Alexandre Maximiliano*

Há poucas verdades definitivas no mundo da corrida, e uma delas é a de que corredor não suporta ficar parado. O tempo de inatividade por conta de uma lesão, seja ele curto ou longo, faz quem realmente leva os treinos a sério ficar agoniado, ansioso, frustrado – e pode até levar à depressão.

Mas o que devemos fazer quando estamos lesionados? Tratar o corpo e a mente. O primeiro passo é avisar o treinador e visitar um médico para avaliar o grau da lesão e obter o tratamento adequado. Muitas vezes o corpo só precisa de descanso, já que boa parte das lesões é causada pelo excesso de treino. Mas o importante é saber a causa e começar a tratá-la o quanto antes.

Leia mais:

5 formas de prevenir inflamação crônica
4 lesões comuns em corredores

Após se machucar, o atleta entra na fase de negação. Ele custa a acreditar e aceitar o que aconteceu e tende a minimizar a importância da lesão. Logo em seguida, depois de “cair a ficha”, ele passa à fase de raiva, podendo até ser agressivo com as pessoas ao seu redor. Na etapa seguinte, a fase de negociação, o atleta começa a barganhar consigo mesmo uma rápida recuperação, ignorando a situação real. Então ele finalmente reconhece a lesão e as consequências da mesma. Ao perceber que deve perder vários treinos e até provas importantes, ele pode entrar na fase de depressão. Por fim, ele aceita a lesão e encara o tratamento de frente.

Otimismo e atitude positiva são essenciais nessa fase. Atletas pessimistas, com baixa autoestima ou muito ansiosos geralmente têm uma recuperação mais lenta (assim como estão mais propensos a se machucarem). Segundo estudos, esportistas que lidam de forma eficaz com as lesões e ficam curados mais rapidamente seguem os seguintes mandamentos:

1 / Cumprir rigorosamente o plano de recuperação;
2 / Ter uma atitude positiva perante a lesão e a vida em geral;
3 / Ser motivado, dedicado e determinado;
4 / Pesquisar e fazer perguntas sobre a lesão.

Um atleta nunca deve ficar inativo por muito tempo, portanto o ideal seria trocar a corrida por outros esportes que o ajudem a manter o condicionamento sem afetar a área lesionada. Dessa forma, ele também consegue manter o percentual de gordura, o que certamente é motivador.

COMPARTILHAR