Posso correr se estiver tomando antibióticos?

É preciso ficar atento a certos medicamentos

Foto: shutterstock.

Por William O. Roberts

Antibióticos são medicamentos importantes que já salvaram incontáveis vidas e reduziram problemas causado por muitas infecções, como as do trato urinário. Porém, eles têm um lado “negro” que merece atenção.

Além da resistência ao remédio por uso excessivo, há efeitos colaterais escondidos que podem afetar os usuários. As consequências incluem tendinite e ruptura de tendão, neuropatia periférica (dor por causa de danos nos nervos, normalmente em mãos e pés), efeitos do sistema nervoso central como alucinações e até mesmo diarreia com sangue.

Leia mais:

+ Fuja das lesões: cinco maneiras surpreendentemente simples de se livrar das dores

O ciprofloxacino é parte de uma classe de antibióticos chamada fluoroquinolonas, que inclui levofloxacino e moxifloxacino. O grupo é crítico para o tratamento de algumas infecções difíceis como antraz e praga. Contudo, são muito usados em todo o mundo para infecções mais simples e, em alguns países, estão disponíveis até mesmo no balcão, o que pode levar à resistência a antibióticos.

Claro que a maior preocupação dos corredores é a ruptura do tendão associada aos antibióticos desse grupo. A FDA tem um aviso contra as fluoroquinolonas que coloca ruptura de tendão como um potencial efeito colateral da medicação e sugere usar antibióticos alternativos quando possível.

Eu sugiro que, pelo menos, você pare de correr enquanto está tomando a medicação e volte gradualmente depois de ter ficado de “molho” por alguns dias. Tenha certeza de que você não está com dor ou inchaço no tendão antes de voltar para o asfalto. Os seis meses ou mais que você vai perder se recuperando se romper o tendão calcâneo valem os poucos dias de prevenção.

COMPARTILHAR