Silencie pensamentos negativos e mantenha a motivação

A eficiência de “conversar consigo mesmo” durante uma corrida já é comprovada por especialistas

Por Alex Hutchinson

Se você chega à metade de uma corrida de 5 km se sentindo bem e confiante de que pode manter o ritmo até a chegada, está fazendo isso errado. Fisiologicamente, corridas de 5 km são curtas o suficiente para você correr mais rápido que seu “ritmo crítico”, uma demarcação que separa ritmos relativamente confortáveis que se pode manter por mais de 30 minutos dos mais rápidos, em que o desconforto aumenta de forma rápida.

Leia mais:

+ 6 atitudes que acabam com seu treino matinal
Recuperação pós-corrida: técnicas e cuidados relevantes

Se você está em busca de um recorde pessoal, na metade da prova deveria se questionar seriamente se vai conseguir chegar ao fim. E isso torna o impulso de desacelerar – só um pouco, claro – quase irresistível. Mas um dos melhores jeitos de resistir a esse impulso é dizer a si mesmo que você não precisa esmorecer. “Conversa motivacional consigo mesmo” é uma ferramenta que os psicólogos do esporte usam há décadas, mas nos últimos anos os pesquisadores demonstraram sua eficiência para corredores e ciclistas. Aqui está o que você precisa saber.

1Ajuste seu esforço

Sua percepção de esforço é influenciada por sinais corporais como fadiga muscular, mas também depende de como seu cérebro interpreta esses sinais. Focar no quão difícil é o esforço o torna pior; prestar atenção no quanto você está indo bem deixa tudo mais fácil. Essa é a essência da conversa motivacional. Em um estudo de 2014, ciclistas que tiveram que manter um ritmo determinado relataram uma percepção de esforço menor depois de terem treinado a conversa motivacional. Em outro estudo, em que ciclistas pedalavam por 10 km, seus níveis de esforço permaneceram os mesmos, mas seu ritmo médio foi mais rápido. Nos dois casos, a conversa consigo mesmo alterou a relação entre o ritmo e o esforço.

2Desloque-o

Estudos sobre conversas internas encontraram benefícios em diversas situações. Um estudo britânico descobriu que treinar essa conversa interna melhorava a performance em uma ultramaratona extenuante de 95 km durante a noite. Um estudo canadense constatou que ciclistas tinham desempenhos melhores em um calor de 35°C depois de um treinamento com um diálogo interior que focava especificamente em altas temperaturas. Para corridas relativamente curtas e intensas, como as de 5 km, pesquisas sugerem que os benefícios são maiores na segunda metade da prova, quando a dor (e os pensamentos negativos que a acompanham) vem com tudo.

3Pratique-o

É preciso treinar para que sua conversa interior se torne natural até mesmo em condições estressantes. Comece tirando um momento depois de corridas ou exercícios pesados para anotar os pensamentos que passaram pela sua mente. Identifique os negativos, como “comecei rápido demais”, e crie substitutos positivos, como “foi para isso que eu treinei”. Tente usar seus substitutos nos treinos, monte uma lista dos melhores para cada estágio da corrida (como após cada quilômetro de uma corrida de 5 km) e pratique-os mais. Pensamentos negativos ainda vão aparecer às vezes. Quando um deles surgir, reconheça-o, coloque-o de lado e substitua-o por um que vá te animar.

COMPARTILHAR