TESTAMOS: Relógio Polar M400, leve e funcional para corridas

Embora não tenha dispositivo integrado de monitoramento cardíaco, relógio apresenta bom custo-benefício

Divulgação Polar

Por Gabriela Oliveira

Como corredora e mulher, a primeira pergunta que me vem a cabeça é “por que os relógios de corrida tem que ser tão grandes e pesados pros nossos pulsos?”. Aposto que não sou a única que tem essa reclamação. Por isso, quando a Polar nos apresentou os novos modelos de relógios com GPS para corrida, o M400 brilhou nos meus olhos. Coloquei no pulso, ainda na redação, e ele se encaixou perfeitamente no meu braço. Foi amor a primeira ‘vestida’. De longe, é o modelo mais feminino de relógios que já encontrei. Mas, como ele se sairia nos treinos? Levei para casa e fui conferir.

Leia mais:

+ 3 dicas para lidar com a dor durante a corrida
+ Quanto custa viajar para 13 maratonas famosas pelo mundo

A Polar tem um aplicativo e um site para você controlar todos os seus treinos e configurações dos relógios, o Polar Flow. O sistema podia ser mais intuitivo, tive que ter um pouco mais de paciência para configurar os treinos intervalados que precisava cumprir naquela semana. Até que, na parte de ajuda do site, achei um vídeo que explicava tudo. Cinco minutos depois estava tudo configurado e pronto para o treino. O relógio tem um calendário que te mostra todos os dias que você configurou para os treinos. Ou seja, ao receber uma planilha nova, você tem o trabalho de configurar os treinos uma única vez. Mas cuidado, o relógio só mostra que você tem treinos, mas não te deixa visualizar as informações do treino. A única opção é inicia-lo, mesmo não sendo o mesmo dia em que ele foi gravado. Você pode iniciar qualquer um dos treinos a qualquer momento. Minha recomendação para os usuários de Polar é: nunca saia pro treino sem olhar sua planilha antes, por que uma vez configurados, você não consegue mais ver quais treinos estão guardados no seu relógio.

O M400 não tem monitoramento cardíaco no pulso, é preciso parear uma cinta com monitor cardíaco (que pode ser comprado junto ou separadamente), como eram os de antigamente. Muita gente acha isso uma desvantagem, por que já não gosta mais de correr com a cinta no peito. Mas a verdade é que você nem sente ela mais no corpo depois que veste. Se ela te incomoda, é por que algo está errado. Eu, particularmente, confio mais na precisão das faixas de monitoramento do que nos dispositivos que estão dentro dos relógios (e olha que o meu relógio tem monitor embutido).

Antes de começar, simulei o início do treino para entender a visualização das informações na tela. Recomendo esse passo para todo mundo que começa a usar um relógio novo de uma marca que não tem familiaridade. Quase todas as marcas permitem a personalização dos dados que você quer visualizar na tela. Uma das informações que ele permite ver é a sua cadência, além das tradicionais: tempo, pace médio, frequência cardíaca. Achei o que eu gostava mais e, quando pausei o ‘treino teste’, o relógio pergunta se eu gostaria de gravar ou deletar o treino. Adorei!! Treino deletado, iniciei um novo e comecei a correr. Logo no fim dos primeiros 5 minutos de aquecimento, a segunda boa surpresa: o Polar vibra os 3 últimos segundos antes do próximo intervalo e, ao terminar, ele mostra uma parcial de como foi aquele período, com pace médio e frequência cardíaca. Essas informações ficam na tela por uns 5 segundos, o que pode ser prejudicial se você esqueceu qual o treino do dia e não sabe o que deve ser feito no próximo período de tempo. Mas confesso que o alerta 3 segundos antes do fim compensam essa ‘perda preciosa’.

Com o treino finalizado, sincronizei o app Polar Flow e todas as informações já estavam lá e já foram enviadas para os outros apps que estamos acostumados, como o Strava. Perfeito! O GPS é tão preciso quanto os de outras marcas. Nenhuma marca tem o GPS perfeito, sabemos disso, e o da Polar não decepciona. A volta do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, apareceu perfeitinha no celular. O app também permite salvar uma foto com as infos do treino para as redes sociais.

Além de ser um relógio para corrida, o M400 também monitora todas as as suas atividades diárias e tem um ‘coach inteligente’. Sim, ele te avisa caso você esteja sentado por muito tempo. Um lembrete simpático de que você precisa se movimentar apareceu na tela várias vezes durante as tardes de trabalho. A bateria dura bastante o suficiente para você não ter que se estressar tanto com cabos e carregamentos. Fora que ela carrega rapidinho. A marca diz que ela dura 13 horas seguidas com o GPS ligado. Dá pra se aventurar até em ultramaratonas!

Ele pode ser pequeno, mas tem muitas outras funções, como notificações inteligentes do seu celular (é possível aceitar e rejeitar ligações por ele, bem como ler mensagens recebidas) e, com o Polar Flow, é possível monitorar todas as suas atividades do dia e até o sono.

O preço é muito convidativo se comparado com os seus principais concorrentes. Só o relógio custa R$949 e, com o transmissor cardíaco incluso sai R$1149. A versão com a pulseira branca foi a minha preferida e a borracha é fácil de limpar, mas também tem nas cores preta, azul e vermelha.

Gabriela Oliveira é diretora de arte da Revista Runner’s World, corredora assídua, antenada em tecnologia e apaixonada por esporte. 

COMPARTILHAR
  • Raphael Gonçalves Theodoro

    Boa eu tenho esse relogio e gosto muito dele

  • FerBR Fer

    Em termos de custo beneficio, o TOMTOM runner está bem a frente, sempre tem promoções