Um adolescente correu uma meia maratona em 1h11min53 – e usando Crocs

E Benjamin Pachev não é o único da família que prefere correr assim

Da fileira de trás para a da frente: Jenny, Julia, Sasha, Sarah, e Benjamin; Jacob, Stephen, Matthew (no carrinho), Mary (no carrinho), Joseph, e William. Na época, o membro mais novo da família ainda não tinha nascido. Foto: cortesia de Sasha Pachev.

Já pensou correr com um calçado no pé que não fosse um tênis específico para corrida? Benjamin Pachev, de 18 anos, faz isso sempre. E, no último dia 8, correu os 21 km da OneAmerica 500 Festival Mini-Marathon em Indianapolis, nos Estados Unidos, em 1h11min53 usando seus Crocs. Com esse tempo, terminou na 16ª colocação.

E o costume de usar Crocs para correr é normal na família. Na mesma prova, o pai de Benjamin, Sasha, e a irmã Jennifer também correram de Crocs. A “tradição” começou quando, em um treino em família, os filhos de Sasha apareceram para correr com o sapato inusitado. Ele mandou eles “colocarem calçados de verdade para corrida”. Mas, após a insistência, decidiu deixá-los tentar. “Eles correram melhor e mais rápidos com o Crocs. Parecia mais natural, então pensei que poderia ter algo ali”, disse ele ao IndyStar. Desde então, a família adotou o calçado para as corridas.

Leia mais:

Inscrições abertas para a Meia Maratona Internacional de Florianópolis
8 dicas para estrear na meia maratona

“Eles não são muito diferentes de tênis para provas. Basicamente, parece que você está correndo descalço na grama, exceto que você está no asfalto e não está perdendo velocidade”, explica Sasha Pachev sobre a sensação de correr de Crocs.

Sasha e Sarah, sua esposa, tem dez filhos com idades entre 8 meses e 18 anos. E todos com idade para isso já correm. Com tantos corredores, o preço do Crocs, bem mais barato que um tênis de corrida nos Estados Unidos, também é um benefício. E Pachev ainda afirma que eles duram mais que um tênis de corrida: cerca de 4.800 km. Sobre o sapato ser seguro: ele diz que seu Crocs saiu do seu pé em apenas uma prova.

Claro que nem tudo é perfeito e ele faria algumas modificações no calçado como criar uma sola mais leve e durável e adicionar outra correia. A família diz já ter entrado em contato com a marca sobre um patrocínio, mas recebeu uma resposta negativa. “Eles disseram que não estão interessados em promover o Crocs como um sapato para exercícios físicos. Patrocínio ou não, é a melhor opção no mercado para os nossos objetivos”, afirma Sasha.

COMPARTILHAR