Algo diferente para começar o ano

Experimente correr um pouco descalço para ver como seus pés reagem

Foto: shutterstock.

Virada de ano, época de reavaliar o passado e planejar o futuro. Mas também época de simplesmente descansar, sair da rotina, dar um pouco de espaço ao ócio e vivenciar coisas que o dia a dia não permite.

Pois bem, proponho que você corra descalço algum dia desses. Não vou polemizar de maneira nenhuma, não vou dizer que correr descalço é bom ou ruim. Vou apenas sugerir que experimente algo diferente.

Leia mais:

Com qual perna você corre?
Por que me lesiono sempre do mesmo lado?

O pé é uma estrutura rica em receptores sensoriais. Quando calçamos o tênis, o que esse punhado de receptores sensoriais faz é simplesmente avisar o sistema nervoso que o pé está quentinho, talvez úmido e pisando no macio. Como é algo que não varia, estes receptores simplesmente param de ficar avisando e descansam, fenômeno que chamamos de adaptação dos receptores. Portanto, nos treinos de corrida com pés calçados, o cérebro recebe pouca informação do que está acontecendo nos pés.

Corra um pouco descalço. Sinta a temperatura do chão, trechos quentes, trechos frios. Terrenos mais ásperos e mais lisos. Sinta o seco e o molhado, sinta as mínimas variações do relevo do chão. Perceba seu pé trabalhando para se adaptar a cada nuance destas. Só perceba, deixe rolar. Não tente controlar qual parte do pé tocará primeiro, qual tocará por último, deixe seu corpo controlar isso.

Ainda sem entrar em polêmicas. Sabe qual a função primária de um calçado? Proteger a sola dos seus pés, especialmente a pele. Não é amortecer, não é corrigir pisada. Pois sabendo disso, o óbvio é que correndo descalço você está colocando em maior risco a sola do seu pé, especialmente a pele. Portanto, o bom-senso diz: fique alerta a cacos de vidro, objetos pontudos, pedras afiadas, solo muito quente.

Sabe qual lesão você estará mais sujeito correndo descalço? Bolhas nos pés. Apenas fique atento para que isso não aconteça. Aprenda a usar a informação sensorial dos pés para saber o que está acontecendo lá embaixo e evitar que chegue no ponto de dar bolhas. No mais, curta o prazer de uma corridinha sem nenhum compromisso.

Meus votos para 2017, um ano cheio de corridas perfeitas. Cresce!

Cássio Siqueira é supervisor de fisioterapia do esporte do curso de fisioterapia da USP e fisioterapeuta da Care Club, onde trabalha com reeducação funcional de corredores. É formado em fisioterapia na USP, com especialização em fisioterapia no esporte e fisioterapia em neurologia, mestre e doutorando em ciências da reabilitação também pela USP.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here