Benefícios de se exercitar durante a quimioterapia

por Danielle Zickl, da Runner's World US

quimioterapia
Shutterstock

Exercícios são importantes para prevenir certas doenças, mas eles também são cruciais após você ser diagnosticado com elas. De acordo com uma nova pesquisa, publicada no European Journal of Preventive Cardiology, pacientes de câncer que se exercitam durante o tratamento de quimioterapia sofrem menos danos cardíacos que os sedentários.

Corrida pode prevenir câncer de mama, aponta estudo

Atividade física reduz chance de câncer de cólon

O estudo, que revisou várias pesquisas anteriores e dados de milhares de pacientes de câncer, concluiu que os que incorporam treinos de resistência e aeróbicos relatam menos cansaço, dor e náuseas, além de possuírem funções físicas melhores.

A pesquisa também mostrou um nível de mortalidade menor entre os que se exercitavam durante a quimioterapia. Um estudo descobriu até que, quando aqueles com câncer de mama fazem atividades regulares, eles têm menos chances de a doença reincidir.

Também foi concluído que se exercitar durante o tratamento evita danos no coração — como disfunção do ventrículo esquerdo (quando o lado esquerdo tem que trabalhar mais) e insuficiência cardíaca, que podem ser causados pelas drogas da quimioterapia.

A combinação de inatividade e quimioterapia pode ainda enfraquecer seus músculos, de acordo com o programa de reabilitação oncológica da American Cancer Society e da American Heart Association. Ao se manter ativo, você evita parte desse enfraquecimento.

Além disso, o estudo também mostrou que se manter ativo durante a quimioterapia melhora o pico aeróbico VO2, que é “o mais importante indicativo de saúde, longevidade e risco cardiovascular em humanos”.

Os exercícios ainda podem melhorar dores provenientes da doença porque incentivam a produção de inibidores de dor e diminuir as sensações de náusea, de acordo com um estudo publicado no European Journal of Cancer Care.

Qual deve ser minha rotina de exercícios durante a quimio?

De acordo com Flavio D’Ascenzi, cientista líder do estudo, em resumo, você deve fazer o máximo que conseguir, sem exageros.

“A maioria dos pacientes de câncer têm energia para se exercitar mesmo durante as fases ativas da doença”, ele diz. “No entanto, é recomendado que você adapte com seu médico o que pode ou não fazer para colher os melhores benefícios.”

Mesmo com uma rotina adaptada, você pode se sentir pior que o normal em alguns dias, ele diz. Não se force a ir além do que seu corpo permite.

Exercícios para fazer durante a quimioterapia

O estudo separa algumas regras gerais para os pacientes seguirem com segurança, se eles tolerarem:

  • 150 a 300 minutos por semana de exercício intenso-moderado ou 75 a 150 minutos por semana de exercícios aeróbicos intensos.
  • Dois ou mais dias por semana de musculação de nível moderado ou mais intenso, se envolver grupos musculares maiores.
  • Duas a três seções por semana de alongamento.
  • 30 a 60 minutos de treino muscular respiratório — que fortalece os músculos do diafragma — três vezes por semana.

Exercício de respiração: veja como treinar os músculos do diafragma