Cuidados com os pés: como evitar bolhas, micoses e joanetes

Por Yara Achôa

Além do constrangimento na hora de calçar sandálias ou chinelos, pés maltratados podem comprometer seu futuro nas ruas e pistas. Veja aqui os cuidados com os pés para evitar bolhas, micoses e joanetes, entre outros probleminhas relacionados aos pés.

“Os problemas geralmente ocorrem em função do impacto, de longas distâncias percorridas, da utilização de calçados inadequados para aquele tipo de pé, de alterações ortopédicas da própria pessoa e do uso prolongado do tênis, o que pode levar a micoses, bolhas, odores, entre outras coisas”, diz a dermatologista (e corredora) Ana Lúcia Recio, de São Paulo, membro da Academia Americana de Dermatologia.

Para correr melhor, você precisa olhar para o corpo como um todo, e não só para os pés

Do ponto de vista ortopédico, os pés podem ter problemas anatômicos ou posturais e gerar uma série de chateações para o corredor. “Por isso, é importante fazer avaliações estáticas, como a impressão do arco plantar, e dinâmicas, com o paciente sendo filmado correndo em uma esteira”, sugere Rogério Teixeira da Silva, ortopedista do Núcleo de Estudos em Esportes e Ortopedia (NEO), de São Paulo.

Cuidados com os pés

Dores, inflamações e deformações podem tirá-lo das ruas por um tempo. Aqui, os problemas mais comuns.

Fascite plantar

É a inflamação na estrutura de sustentação da sola do pé, a fáscia. O principal sintoma é dor na região do arco plantar, notada principalmente ao se pisar no chão ao levantar da cama pela manhã. Em alguns casos, dura o dia todo. O problema pode se tornar crônico e, quando não tratado, pode acarretar fraturas por estresse.

O que fazer. Investir em alongamento, tracionando diariamente o pé. Caso a fascite esteja instalada, talvez seja necessário modificar o treinamento e até suspendê-lo por alguns dias, além de recorrer a medicamentos indicados pelo ortopedista.

Inflamação do tendão de aquiles

É caracterizada pela dor na parte de trás do tornozelo, que começa devagar e se intensifica com o passar do tempo. Cronicamente, leva ao enfraquecimento do tendão, tornando-o suscetível a uma série de outras lesões.

O que fazer. A melhor maneira de prevenir é realizar um bom alongamento de pernas e pés. Uma vez ocorrendo a inflamação, você provavelmente terá de interromper seus treinos por um período de sete a 15 dias (em quadros mais leves) ou fazer sessões de fisioterapia por até 12 semanas (em casos mais graves).

Metatarsalgia

É a dor na parte de cima do pé, onde temos cinco “ossinhos” chamados metatarsos. Pode estar relacionada a ossos, articulações, músculos, ligamentos ou tendões na região. O problema é mais comum em pessoas que costumam usar sapatos fechados
e mulheres que andam de salto alto.

O que fazer. Dar descanso aos pés. Ande descalço ou com calçados mais confortáveis e use palmilhas.

Hálux Valgo (joanete)

Uma saliência óssea do dedão ou dedinho que tem, entre suas causas, o encurtamento do músculo que faz estender os dedos e o  excesso de movimentação ou o desvio do osso do meio do pé.

O que fazer. Usar calçados confortáveis e certos para seu tipo de pé. E alongamento diário: apoie o calcanhar no chão, contraia os dedos como se fosse pegar um objeto e levante o pé, formando um ângulo reto.

Problemas ligados à pele também incomodam muito. Confira abaixo alguns deles.

Unha encravada

Pode surgir por predisposição genética, uso de calçados apertados e inadequados ao pé e pelo corte incorreto das unhas.

O que fazer.  Você deve procurar um podólogo para corrigir o problema e, em casos mais graves, terá que dar uma pausa no esporte para a realização de uma pequena cirurgia para a retirada do excesso de unha — o que significa que você ficará pelo menos um mês sem correr.

Bolhas

Surgem como os hematomas, devido ao atrito constante do pé com a meia ou o tênis.

O que fazer.  Antes de correr longas distâncias, aplicar uma pequena quantidade de vaselina nas áreas de maior atrito. Em distâncias menores, você pode usar duas meias fininhas, para que o atrito fique entre elas e não entre a meia e o pé. Se as bolhas já surgiram, nada de estourar. Isso irá provocar mais dor e torná-lo suscetível a infecções. Proteja a área da bolha com um curativo apropriado. No consultório, o médico poderá dar um trato melhor.

Micoses

O suor gera fissuras entre os dedos e os fungos podem se instalar ali. Outra possibilidade é o desenvolvimento direto de micoses, devido ao ambiente quente e úmido dos tênis. Mas nem tudo que descama é micose. Você também pode ter intertrigo (ou frieira), uma descamação com vermelhidão entre os dedos. A diferença é que micose coça e o intertrigo não.

O que fazer. Higienizar bem os pés e os tênis.

Chulé

Mesmo aquele indivíduo com hábitos corretos de higiene pode ter odor
nos pés, já que se trata de uma característica individual. Mas é claro que o problema também ocorre ou pode ser piorado por conta de uma higiene inadequada.

O que fazer.  Lavar os pés duas vezes ao dia (inclusive entre os dedos) com sabonete bactericida e enxugar muito bem. O ritual pode ser finalizado com talco antiperspirante.

Unha preta

Os microimpactos constantes na corrida podem levam a traumas nas unhas, promovendo seu descolamento e a formação de hematomas pelo microssangramento.

O que fazer. Você pode usar um tênis um número maior, principalmente se costuma percorrer longas distâncias, já que seu pé vai inchando. Se você estiver com dor, o médico provavelmente fará um pequeno furo para drenar o sangue acumulado na unha (só não invente de fazer isso em casa). No mais, só lhe resta esperar que uma nova unha nasça e vá empurrando o hematoma.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here