6 dicas de Mo Farah para superar uma corrida ruim

Por Cindy Kuzma, da Runner’s World US

dicas de superação de Mo Farah
Foto: Reprodução Instagram / @gomofarah
Se tem alguém que soube como ultrapassar obstáculos ao longo da carreira, esse alguém é Mo Farah. Aqui separamos seis dicas de superação de Mo Farah para você dar a volta por cima e conquistar a sua melhor corrida.

Para ter uma ideia, há três anos, nas Olimpíadas do Rio, Mo Farah estava na metade dos 10.000 metros quando seu Galen Rupp, dos Estados Unidos, tropeçou no seu pé e fez com que ele caísse no chão. Mesmo assim, Farah voltou para a pista e quase imediatamente retornou para o grupo que liderava a prova, garantindo o ouro. Uma semana depois, subiu novamente ao lugar mais alto do pódio nos 5.000 metros, tornando-se medalhista de ouro duas vezes nos mesmos Jogos.

No dia 13 de outubro, o corredor defenderá seu título na Maratona de Chicago. Ele venceu no ano passado e bateu um recorde europeu com um tempo de 2h05min11. Antes, no entanto, ele terá um outro desafio. 

Como atual campeão mundial nos 10.000 metros, Farah tem uma vaga garantida no Campeonato Mundial da IAAF em Doha. No início do ano, o corredor disse que não estava mirando nenhum grande feito para essa distância. Mas, no mês passado, ao usar a hashtag do #doha10K em um post no Instagram, ele aumentou a especulação sobre sua performance na competição.

O que a gente sabe sobre a prova

A corrida acontece no dia 6 de outubro – sete dias e quase 12.000 quilômetros de distância de Chicago. Em uma entrevista recente à Runner’s World US, Farah não quis falar muito sobre suas metas nos 10K. “Meu foco principal é chegar a Chicago e defender meu título lá”, disse ele. “É nisso que estamos pensando no momento. Não estamos pensando em mais nada.”

Contudo, sabemos que se alguém pode fazer duas corridas históricas com uma semana de diferença, essa pessoa é Mo Farah. Aqui estão os conselhos dele para aprender com uma performance e focar na próxima:

6 dicas de superação de Mo Farah

1Não esconda sua decepção

Farah não mascara performances abaixo do ideal. Ele foi à maratona de Londres este ano com o objetivo de vencer, mas ficou em quinto com 2h05min39. Tempo incrível para muitos atletas, mas não o que ele esperava. “Foi mediano”, disse ele. “Eu queria ter ido melhor.”

E não evitou a insatisfação dele, seja em entrevistas feitas imediatamente após a maratona ou meses depois. “É bom ser honesto”, disse ele. “Não fui tão bem quanto eu queria. Fiquei decepcionado com os resultados.”

2Mas não deixe isso definir você

Embora Farah se mantenha em padrões altos, ele também sabe que todos os corredores – e de fato todos os seres humanos – têm dias difíceis. “Ter uma corrida ruim não faz de você um atleta ruim”, disse ele. “Só significa que você precisa voltar e fazer tudo de novo.”

De fato, o que faz a diferença no seu sucesso a longo prazo não é um fracasso, mas o que você faz a seguir. “Supere isso o mais rápido possível e siga em frente. Veja o que você pode fazer no próximo passo, na próxima fase”, disse ele. “Essa é sempre a chave.”

3Aprenda uma lição

Mais uma das dicas de superação de Mo Farah: analisar as provas em que você correr bem – ou não – e usar esses exemplos para orientar a sua preparação para o futuro. 

“Eu tive uma longa carreira na pista”,  ele afirmou. “Não se trata de uma única corrida, trata-se de aprender com cada uma delas. Ver o que você fez de errado, o que pode aprender e como pode melhorar.”

Agora, ele está aplicando a mesma estratégia à maratona. “Em Londres, me senti forte até a metade do caminho”. Contudo, no quilômetro 20 – e especialmente nos últimos 3 km – ele foi ultrapassado por Eliud Kipchoge (o recordista mundial venceu em 2h02min37).

“Às vezes na maratona você começa a quebrar nos últimos 100 metros ou nos últimos três quilômetros. Você nunca vai sabe”, conta. 

Como resultado, ele e o treinador Gary Lough não estão apenas mantendo sua rodagem alta – cerca de 64 km por semana. Eles também incorporaram uma ampla variedade de exercícios. Desde intervalados curtos e rápidos até os regenerativos. Dessa forma, ele estará pronto para qualquer coisa nos 42 km. 

4Reflita sobre seu trabalho

Seja após um momento difícil durante uma corrida – como sua queda nas Olimpíadas – ou um resultado decepcionante, Farah recupera sua confiança e motivação lembrando-se de tudo o que já treinou.

Mo Farah bate recorde europeu e vence Maratona de Chicago de 2018

Quado caiu no Rio de Janeiro, Farah pensou em todo o treinamento que teve para chegar lá. “Às vezes, como atleta, não se trata apenas dessa corrida. É todo o trabalho que você faz para chegar até ela.” Com isso em mente, ele sabia que não tinha escolha a não ser levantar, perseverar e lutar até o fim.

5Diverta-se

Quando você está se esforçando para alcançar seu próximo objetivo, pode ser necessário fazer alguns sacrifícios. No momento, por exemplo, Farah está treinando em Flagstaff, Arizona. Longe de sua esposa Tania e de seus quatro filhos, que estão na Grã-Bretanha.

A distância é desafiadora – coisa que ele enfrenta regularmente. “É isso que me motiva a ser melhor”, disse ele.

Enquanto está no acampamento, o atleta aproveita o tempo com colegas de equipe. Como Bashir Abdi e Abdi Abdirahman. Eles se ajudam não apenas na pista – quando um deles tem um dia difícil, os outros o motivam -, mas também fora dele.

“É realmente importante que você tenha pessoas boas ao seu redor e parceiros de treinamento com os quais possa rir, curtir e sair para um jantar”, disse ele. “Quanto mais risadas você der, mais fácil será.”

Dessa forma, é menos provável que você pense demais nas coisas, ficando muito ansioso ou se preocupando demais com o futuro. 

Chilenos desenvolvem uma bicicleta antifurto

6Alimente-se de desafios

“Você sempre fica mais feliz quando as coisas correm bem. É uma sensação ótima”, afirmou. Mas se a corrida perfeita fosse fácil, parte da emoção provavelmente desapareceria.

A mudança da pista para a maratona ampliou o apetite de Farah pela competição. “Nos 5 km, 10 km, você pode fazer uma corrida e sabe o que deu errado e o que poderia melhorar e pode voltar em duas, três semanas e fazer outra corrida”, explicou. “Na maratona o processo é mais longo. Você precisa esperar seis meses. É muito tempo de espera, mas acho que isso deixa você mais faminto e focado.”

Independentemente do que acontecer em Doha, ele ainda terá altos e baixos até Chicago. “Quero voltar para Chicago e ver o que posso fazer para defender meu título”, disse ele, “e aproveitar a experiência que tive em Londres”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here