Dieta mediterrânea é saudável para o intestino, diz estudo

Por Danielle Zickl, da Runner's World US

Dieta mediterrânea é saudável para o intestino, aponta estudo
Foto: Shutterstock

Parece que a dieta mediterrânea — rica em azeite, legumes, frutas e peixes — está sempre nas notícias por trazer benefícios ao corpo. Esses alimentos ajudam a reduzir o risco de doenças cardíacas, melhorar os sintomas de depressão e até o levam a bater seu RP em uma prova. O mais recente benefício? A dieta mediterrânea é saudável para o seu intestino. Ela pode aumentar as bactérias associadas ao envelhecimento saudável — e até reduzir aquelas relacionadas à inflamação.

Leia mais 

+ Dieta mediterrânea diminui risco de surdez, aponta estudo
+ Dieta pobre em gordura diminui níveis de testosterona
+ Dieta vertical: o que é? Como fazer?

Em um novo estudo, publicado na revista Gut, os pesquisadores dividiram 612 participantes (de 65 a 79 anos) em dois grupos. O primeiro manteve a alimentação habitual. Já o outro consumiu uma dieta mediterrânea por um ano. Os pesquisadores também analisaram os microbiomas intestinais dos participantes antes e depois do período de um ano.

Dieta mediterrânea é saudável para o intestino: resultados

As descobertas? O grupo que aderiu à dieta mediterrânea viu um aumento nos tipos de bactérias que promovem o envelhecimento saudável e atrasam o aparecimento de inflamação crônica, perda de memória, perda de tecido muscular e doenças como diabetes e aterosclerose (endurecimento e estreitamento das artérias).

De acordo com Paul O’Toole, autor da pesquisa e professor de genômica microbiana da University College Cork, na Irlanda, os micróbios em nosso intestino florescem quando consumimos regularmente alimentos que fazem parte da dieta mediterrânea. Ele continuou explicando que os nutrientes da dieta — especialmente as fibras — são convertidos em ácidos graxos de cadeia curta. Estes, por sua vez, são produzidos quando as boas bactérias em seu intestino fermentam as fibras do cólon. Esse processo fornece uma fonte principal de energia para as células que revestem o cólon, ajudando-as a aumentar e prosperar.

O estudo também descobriu que uma dieta mediterrânea ajudou a diminuir o tipo de bactérias intestinais que estão ligadas a um maior risco de inflamação, câncer de intestino, resistência à insulina, fígado gorduroso e danos às células.

E embora este estudo tenha como alvo aqueles com 65 anos ou mais, o pesquisador disse que as descobertas também são aplicáveis ​​a atletas de todas as idades.

O que isso significa

“Os atletas de resistência colocam seu corpo sob muito estresse. O que significa que eles são mais propensos a inflamações e infecções. Além de síndrome do intestino irritável — quando há maior vazamento de conteúdo do intestino para a corrente sanguínea”, disse ele. Um microbioma intestinal saudável pode ajudar a prevenir tudo isso.

A conclusão, de acordo com Paul, é que uma dieta mediterrânea oferece uma escolha saudável e diversificada de alimentos que ajudam a aumentar a quantidade de boas bactérias em seu intestino.

“As pessoas precisam perceber que possuem um ecossistema interno dentro que precisam se preocupar”, disse ele. “E se você deseja manter esse ecossistema diversificado, precisa de uma dieta diversificada.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here