Mulheres correm no pátio da prisão para recuperar seu poder

Por Hailey Middlebrook, da Runner's World US

mulheres correm no pátio da prisão
Foto: Bill Roth/Anchorage Daily News

Mulheres correm no pátio da prisão para recuperar seu poder, nos Estados Unidos. Toda a iniciativa começou com Lisa Keller, em 2012, com as internas do Hiland Mountain Correctional Center. O programa incentiva a saúde e a cura na prisão feminina em Eagle River, no Alasca.

9 dicas de corrida para iniciantes

Mulheres correm no pátio da prisão nos EUA

Keller já atuva com internas há três anos quando conheceu Gina (o sobrenome foi omitido por privacidade). Ela era uma mulher pequena com cabelos escuros e um rosto magro. Ela foi a primeira e única adição tardia ao programa de Keller, Running Free Alaska. A fundadora do programa havia feito uma exceção para Gina se juntar à meia temporada. O objetivo era ajudá-la a processar o sentimento do confinamento solitário no início de sua estadia.

Gina, que tinha apenas 24 anos quando se juntou às demais detentas, passou várias semanas com a cabeça baixa, sem contato visual. Keller viu Gina treinar a sua agilidade, o seu potencial atlético era claro. Mas Keller se perguntava se Gina era capaz de ver potencial nela mesma.

Mudança e recuperação

Keller já tinha visto tratamento através do trabalho em execução. Ela começou a treinar presos em Hiland em 2012 com o objetivo de levar 25 mulheres a 5 km. Naquele primeiro ano, as prisioneiras treinaram internamente, 68,5 voltas no ginásio compuseram a distância da corrida. Elas praticavam três vezes por semana durante 12 semanas. No final, 21 das 25 mulheres fizeram o 5 km finais. Eles ganharam tops esportivos e sapatos, também perderam peso, ganharam velocidade e se abriram uma para outra. “A prisão é um dos lugares menos confiáveis”, diz Keller. “No entanto, nossas corredoras se abriram uma para outra em um longo prazo.”

Estrear nos 5 km: saiba o caminho para curtir a sua primeira prova

Com a temporada de 2014, Gina começou a olhar para cima. “Isso me ajudou a superar meus medos e construir força, tanto física quanto espiritualmente”, diz Gina. “Eu uso meu top o tempo todo, então nunca esqueço que sou uma corredora.”

Hoje, as mulheres correm do lado de fora, em um caminho de terra na propriedade da prisão. Gina e outras cinco detentas atuam como capitãs de equipe para apoiar novos participantes e outros 30 membros de longa data. No outono de 2018, Gina reduziu seu tempo de 5 km para 20:14, estabelecendo o recorde do percurso do Hiland Mountain. Keller diz que esse tipo de transformação não é único. Ao fazer com que as mulheres falem sobre seus problemas, o programa ajuda na reabilitação. Ela acredita, também, que a atividade física é fundamental. “Quando corremos, estamos no controle de nossos corpos”, diz ela. “Isso lhes devolve seu poder.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here