Rússia ficará de fora das Olimpíadas de Tóquio 2020

Por Redação Runner's World Brasil

Com decisão recente da WADA, Rússia foi banida das Olimpíadas de Tóquio e da Copa do Mundo no Catar
Foto: Reprodução Instagram / @tokyo2020

Após uma reunião de emergência ontem (9), a Agência Mundial Antidoping (WADA, em inglês) resolveu punir a Rússia com uma proibição de sediar e participar de competições esportivas internacionais por quatro anos. Isso significa que a Rússia foi banida das Olimpíadas de Tóquio, no ano que vem (2020). E também não poderá fazer parte da próxima Copa do Mundo, que será realizada no Catar em 2022. 

Escândalo na Rússia: laboratório da WADA em Moscou está suspenso

Corredor assedia repórter ao vivo e causa revolta nos EUA

Corredor de elite queniano é banido por doping

A decisão foi tomada depois que ficou comprovado que a Agência Antidoping Russa (RUSADA) alterou os resultados de laboratórios entregues à WADA. O objetivo era livrar o país da pena de três anos longe de competições internacionais por conta de escândalos anteriores envolvendo doping. Agora, a punição aumentou para quatro anos. 

O Estado russo tem até 21 dias para recorrer da decisão ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS). Caso entre com o recurso, a punição da WADA é suspensa até que o julgamento do TAS. 

Rússia foi banida das Olimpíadas: o que isso significa

De acordo do o jornal The Guardian, a atitude da WADA foi criticada por alguns ativistas por não ter “ido longe o suficiente”. De acordo com eles, o hino e a bandeira nacional russa estarão ausentes tanto de Tóquio quanto do Catar. Contudo, os atletas que provarem que não participaram do esquema poderão competir sob uma “bandeira neutra”. 

Ao anunciar a sanção, Craig Reedie, diretor-executivo da WADA, disse: “Por muito tempo, o doping russo prejudicou o esporte limpo. A Rússia teve a oportunidade de colocar sua casa em ordem e mostrar à comunidade antidoping global que preza pelo bem de seus atletas e pela integridade do esporte. Mas optou por continuar em sua posição de decepção e negação. Como resultado, a WADA respondeu nos termos mais fortes possíveis. Sempre protegendo os direitos dos atletas russos, que podem provar que não estavam envolvidos e não se beneficiaram com esses atos fraudulentos.”

Já a Rússia também se pronunciou sobre o acontecimento. “As decisões da WADA se repetem”, disse o primeiro ministro Dmitry Medvedev. “Isso certamente tem a ver com a histeria anti-russa que está se transformando em uma doença crônica. Penso que as organizações responsáveis ​​por isso — e refiro-me às organizações russas — precisam pensar em uma maneira de recorrer desse tipo de decisão. ”

O que aconteceu

O primeiro escândalo de doping generalizado na Rússia foi denunciado pela WADA há quatro anos. Na época, um relatório confirmou que pelo menos 643 testes positivos para doping teriam sido ocultados pelas autoridades. Como resultado, a Federação Russa de Atletismo (Rusaf) foi suspensa, e 111 atletas banidos das Olímpiadas do Rio, em 2016.

Ano passado, a WADA resolveu dar mais uma chance para o país. O órgão restabeleceu a RUSADA com a condição de que ela deveria compartilhar todos os seus resultados de testes em laboratórios. Ao perceber a alteração dessas informações, a WADA tomou a decisão de ontem. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here