Sobrevivente de atentado em Boston, amputada se recupera de atropelamento: “Não sou vítima”

Por Jordan Smith, da Runner's World US

atentado em boston
Foto: Adrianne Haslet/Reprodução

Sobrevivente de atentado em Boston, amputada se recupera de atropelamento. Adrianne Haslet perdeu a perna esquerda nos atentados de 2013 na Maratona de Boston, foi hospitalizada recentemente depois que um carro bateu na faixa de pedestres em Boston em 5 de janeiro. Ela foi atingida no lado esquerdo – o mesmo lado dos ferimentos de bombardeio – e lançada ao ar, antes de virar e cair sobre o seu ombro esquerdo.

Atentado na Maratona de Boston: os 7 dias em que os EUA reviveram o terror 

Atentado em Boston e direitos dos amputados

No início, ela pensou que o acidente a deixou paralisada, mas com a ajuda de seu cirurgião e da mesma equipe que a tratou quando perdeu a perna, ela está recuperando a mobilidade.

Homem perde a perna em ataque de tubarão e descobre o seu amor pela corrida 

“Eu não sou definido pelo que aconteceu comigo. Eu vivo a vida de uma maneira completa, estabeleço e realizo metas”, disse à Runner’s World. “Sou uma sobrevivente, definida por como vivi a minha vida, não definida como sendo uma vítima.”

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Adrianne Haslet (@adriannehaslet) em

Seus ferimentos a impedirão de correr a Maratona de Boston deste ano, para a qual ela estava se preparando. “É horrível passar por algo assim, definir um grande objetivo e ter isso destruído”, disse ela.

Nas redes sociais, Haslet tem mostrando os diferentes lados dessa jornada. Ela disse que sempre foi importante para ela ser aberta e honesta.

“Ninguém deveria ter que chorar sozinho ou sofrer sozinho”, disse ela. “Se isso faz com que eles se sintam menos sozinhos, eu tento ser essa pessoa para alguém que precisa dela. É também uma saída para me expressar quando não posso dançar e correr.”

Maratona de Boston 2020: tempos de qualificação serão mais baixos 

Corrida com propósito

A corrida este ano foi importante para ela porque estava treinando para correr Boston como defensora dos direitos dos amputados. Seu objetivo é conscientizar sobre a falta de divisões para pessoas com problemas de mobilidade nas principais maratonas. Ela esperava uma boa colocação, para mostrar que é possível.

Haslet também tem treinado para correr com uma prótese de caminhada. A ideia é mostrar que é possível correr maratonas mesmo sem lâminas caras ou próteses especializadas.

“Correr com a perna é mais próximo à sensação de correr com as duas pernas”, diz ela.

“Eu quero mostrar que a corrida está disponível para todos os amputados”, disse Haslet. “Isso é importante para mim.”

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Adrianne Haslet (@adriannehaslet) em

Embora ela nem tenha começado a fisioterapia e não tenha sido liberada para correr, Haslet tem o objetivo de voltar a correr na BAA 5K em 13 de abril, o fim de semana da Maratona de Boston. Ela planeja usar a mesma prótese nessa prova.

“Meu impulso e minha mente estão todos lá e 90% do meu corpo”, disse ela. “Eu só preciso de 10 por cento para puxar comigo.”

Ela está trabalhando com sua equipe no hospital, bem como com seu treinador Dan Fitzgerald, proprietário da Heartbreak Hill Running Company, para estar pronto para corrida assim que puder.

“Estou triste por não correr [a maratona] este ano”, disse Haslet. “Eu tenho algo a provar para os oficiais da maratona – [amputados] não estão quebrados, temos peças faltantes.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here