Sorrir durante a corrida pode te ajudar a correr de forma mais eficiente

Por Stav Dimitropoulos

sorria e corra melhor
Ilustração por Jean-Luc Bonifay/Runners World Brasil

Quem já viu imagens de Eliud Kipchoge durante suas provas pode ter notado que ele parece estar sorrindo enquanto corre. O atual recordista mundial da maratona sorri durante as provas para relaxar e enfrentar a dor. Essa é uma estratégia que há tempos alguns corredores acreditam funcionar: que sorrir durante a corrida pode ajudar a correr de forma mais eficiente. É isso mesmo: sorria e corra melhor!

Treinando para maratona? Adicione exercícios de velocidade

Sorria e corra melhor!

Mais fácil do que parece

Considerando o tempo e o esforço que dedicamos aos treinos e a ficar em forma, é difícil acreditar que algo tão simples como uma risada possa exercer tamanho efeito sobre nossa performance, mas a ciência corrobora essa afirmação. Estudos mostraram que, quando enriquecemos nosso treino com um sorriso, temos a sensação de que o esforço que realizamos é bem menor que o que fazemos quando nos exercitamos de cara feia.

Nenhuma pesquisa havia investigado seriamente os efeitos da manipulação das nossas expressões faciais, sorrindo ou fazendo cara feia. E nem sobre nossa economia de corrida e nossa percepção de esforço durante a corrida – pelo menos não até agora. Mas pesquisadores da Universidade de Ulster, na Irlanda do Norte, e da Universidade de Swansea, no País de Gales, pediram que um grupo de 24 corredores usassem máscaras para medir seus consumos de oxigênio. Depois foi pedido para que completassem quatro blocos de seis minutos de corrida na esteira sorrindo e com cara feia.

Sorrir afeta o desempenho na corrida

O estudo, que foi publicado há pouco tempo na revista científica Psychology of Sport and Exercise, descobriu que os corredores que sorriam usavam menos oxigênio, corriam de forma mais econômica e tinham taxas de percepção de esforço inferiores às dos corredores carrancudos e às do grupo de controle.

“Eles foram 2,8% mais eficientes sorrindo do que com cara feia”, diz Noel Brick, professor de psicologia do esporte e do exercício na Universidade de Ulster e coautor do estudo. A razão tem a ver com o feedback facial. “Quando mudamos nossa expressão facial, podemos vivenciar o estado emocional que associamos a essa expressão”, explica Noel.

“Associamos sorrir à felicidade ou ao prazer, estados que nos deixam mais relaxados; então, quando sorrimos, estamos tentando relaxar de forma consciente. Adotando uma expressão facial emburrada, no entanto, experimentamos um estado emocional de tensão ou menos relaxamento.”

Efeito do sorriso

“Embora uma melhoria de 2,8% possa parecer irrelevante, ela pode se traduzir em uma diminuição de aproximadamente 2% no tempo de corrida”, conta Noel. O que significa que se você corre uma maratona em 4h20 ou 4h45 (tempos médios de maratona para homens e mulheres, respectivamente), você cruzará a linha de chegada cerca de cinco minutos mais rápido, e se você corre 10 km entre 55 e 64 minutos, poderá reduzir um minuto inteiro do seu tempo de prova.”

Ele adiciona: “E se tiver uma marca de menos de 25 minutos nos 5 km, simplesmente sorrir pode ajudá-lo a percorrer a mesma distância 30 segundos mais rápido, um resultado significativo para um esforço tão pequeno.”

“Os progressos na sua economia de corrida serão inicialmente pequenos, mas um corredor relaxado é um corredor eficiente”, acrescenta Noel. Esse pequeno truque se torna especialmente útil para corredores que precisam conservar o máximo de energia possível durante o percurso de uma corrida de longa distância.

“Corredores tendem a ficar tensos ao manter ritmos mais velozes, sobretudo apertando seus maxilares, o que pode impedi-los de se beneficiarem de um bom canal de respiração, relaxado e aberto”, fala Meghan Takacs, técnica norte-americana certificada do Road Runners Club of America. “E quando estão excessivamente tensos, eles se cansam muito mais rápido.” Meghan diz que sua experiência lhe mostrou que sorrir é crucial porque traz uma mentalidade positiva, e correr é uma atividade tão mental quanto física.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Eliud Kipchoge (@kipchogeeliud) em

Agir antes de sentir

O quão verdadeiro é esse sorriso parece nem mesmo importar. Omar Sultan Haque, psiquiatra e sociólogo da Escola de Medicina de Harvard (EUA) que agora estuda como forças biológicas, psicológicas e sociais interagem com a saúde e a cura, diz que você pode até fingir estar sorrindo de verdade. “A preocupação sobre ‘fingir’ faz parte da suposição de que as emoções sempre ocorrem antes das expressões faciais. Mas se a expressão facial de sorrir puder influenciar ou até mesmo causar uma sensação de relaxamento, então sorrir intencionalmente para se sentir relaxado não é mais falso que sorrir como resultado de se sentir realmente assim.”

Sorriso como forma de relaxamento

Meghan costuma lembrar os corredores com quem trabalha o relaxar: mantendo os músculos do rosto soltos, não apertando os dentes e sorrindo. “Pense nisso como se estivesse dando ao seu cérebro uma dose de endorfina quando ele mais precisa”, diz. “Um sorriso estimula instantaneamente a positividade, relaxa o corpo e, em troca, o torna mais autoconsciente. E, tratando-se de corrida, com estado de espírito e autoconsciência você vai longe – literalmente.”

Uma pesquisa anterior também recomenda sorrir como forma de fazer com que um esforço pareça mais fácil. Um estudo feito pela Escola de Ciências do Esporte, Saúde e Exercício da Universidade de Bangor, no País de Gales, descobriu que sorrir ou emburrar a cara são bons indicadores de quão duro é um esforço. Dessa forma, se um treino te deixa de cara feia, então o oposto também é verdade. Ou seja: franzir a testa faz um esforço parecer mais difícil, mas sorrir deve fazê-lo parecer mais fácil.

“No fim das contas, exibir um sorriso mesmo quando você não está a fim é apenas uma questão de treino, como se acostumar com qualquer outro hábito, e pode ser muito mais fácil do que fazer suas pernas superarem uma cãibra no meio da corrida”, diz Omar. Ele recomenda simplesmente reconsiderar suas suposições sobre a relação de sentido único entre sensação e sorriso.

Em vez de acreditar que temos que canalizar uma emoção como felicidade antes de sorrir, lembre que apenas sorrir já causa uma emoção e um sentimento, então não é necessária nenhuma canalização, como a hipótese do feedback facial defende. Além disso, você não tem nada a perder dando uma oportunidade ao sorriso. Mesmo que não sirva para nada, pelo menos você sairá melhor nas fotos das suas corridas.

Psicologia do esporte: treine o seu cérebro para melhorar a sua performance

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here