Essas vitaminas podem estar sabotando seu treino de força

Por Kiera Carter, da Bicycling US

Vitaminas e treino de força
Foto: Shutterstock

Os antioxidantes costumam ser elogiados por sua capacidade de eliminar compostos que danificam as células. Mas uma nova pesquisa sugere que, para ganhos maiores de treinamento de força, você pode se sair melhor sem eles. Vitaminas e treino de força podem não ser a melhor combinação.

Em primeiro lugar, uma breve introdução: existem certos fatores que podem desencadear um processo metabólico chamado estresse oxidativo. Tenha como exemplos toxinas ambientais, problemas de ritmo circadiano, tabagismo, transtornos psicológicos ou emocionais crônicos, infecções e até um estilo de vida sedentário.

É quando os radicais livres – basicamente, elétrons desemparelhados – começam a buscar por um parceiro, danificando o DNA ao longo do caminho.

Pesquisas anteriores observaram que os radicais livres e a oxidação resultante são normais em algum grau, mas quando há uma sobrecarga, isso leva a doenças crônicas e degenerativas, incluindo câncer, artrite reumatoide e distúrbios autoimunes. Você também envelhece mais rápido, só para piorar tudo.

Seu corpo já produz um monte de antioxidantes, mas você pode aumentar essa produção de outras formas: mantendo-se ativo, ingerindo vegetais, dormindo o suficiente e fazendo suplementação com vitaminas antioxidantes como C e E, por exemplo.

No entanto, o novo estudo observa que, se você deseja aumentar a massa muscular, pode querer deixar esse último item fora de sua lista de tarefas.

Fazer alimentos em uma air fryer é melhor do que fritar? 

Vitaminas e treino de força

No estudo publicado no International Journal of Exercise Science, pesquisadores brasileiros recrutaram 33 mulheres jovens e saudáveis ​​foram divididas em três grupos: de controle, de placebo e um grupo de antioxidantes/vitaminas C e E. Aquelas que tomaram o placebo e as vitaminas foram submetidos a um programa de treinamento de força por 10 semanas, com massa gorda e massa muscular magra avaliadas várias vezes, enquanto o grupo de controle não se exercitou.

Após o período de 10 semanas, apenas o grupo de placebo observou um aumento na massa muscular e perda de gordura (cerca de 680 g).

Apesar de seguir o mesmo protocolo de levantamento, as pessoas que tomam os suplementos antioxidantes não experimentaram qualquer aumento significativo no músculo ou diminuição da gordura.

Embora o estudo tenha suas limitações, as descobertas são intrigantes em termos de como o estresse oxidativo pode desempenhar um papel no treinamento de força.

Na verdade, embora pensemos que o estresse oxidativo é prejudicial ao nosso corpo, podemos precisar dele para colher os benefícios do treinamento de força.

Eis o porquê: quando você levanta pesos, também produz estresse oxidativo. “Mas isso não é uma coisa ruim, porque ajuda seus músculos a usar melhor as proteínas”, afirma o pesquisador-chefe Martim Bottaro, da Universidade de Brasília.

“O estresse oxidativo produzido pelo treinamento com pesos aumenta os sinais das células para a síntese de proteínas”, observou ele. Então, se você diminuir muito seu estresse oxidativo – tomando vitaminas, por exemplo -, você pode não usar a proteína de forma tão eficaz. E para aumentar a massa muscular de forma eficiente, você precisa utilizar proteína para construção muscular e recuperação.

Dessa forma, mesmo se você estiver consumindo a quantidade correta de proteína para seus treinos, caso esteja tomando antioxidantes, essa proteína não se traduzirá em ganhos de massa muscular.

Tudo depende do seu objetivo

“A mensagem desta pesquisa é que, se você é um jovem saudável e deseja melhorar a composição corporal levantando pesos, deve evitar a suplementação de antioxidantes como as vitaminas C e E”, diz Bottaro.

Mas, Bottaro acrescenta, “tenha em mente que a idade é importante, assim como o tipo de exercício que você faz.

Energético faz mal para o coração, sugere novo estudo 

Conforme você envelhece, o estresse oxidativo aumenta. O mesmo acontece com exercícios de alta intensidade, alta frequência e longa duração, como maratonas e corridas. Nessas situações, a suplementação com antioxidantes é útil, acredita ele.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here