Corredores amadores nos EUA estão mais lentos do que nunca

Estudo com 35 milhões de corredores em 20 anos vê piora na saúde como principal causa

Um mega estudo divulgado no site Run Repeat analisou o desempenho de quase 35 milhões de pessoas que completaram corridas de rua nos EUA entre 1996 e 2016. O principal resultado da pesquisa é a constatação da diminuição da velocidade média em quase 10% – exceto entre corredores de elite – em todas as distâncias (5km, 10km, 21km e 42km), tanto nos homens quanto nas mulheres.

Leia mais: 

+ Corrida Insana chega ao Brasil com obstáculos inusitados
+ 6 erros comuns de corredores iniciantes (e as soluções!)

Buscando uma causa para este resultado, o estudo conseguiu descartar duas hipóteses: a de que o aumento da porcentagem de mulheres nas corridas poderia provocar uma diminuição geral da velocidade; e a de que está crescendo a quantidade de pessoas que completam as provas caminhando, sem a pretensão de fazer um tempo baixo. Em ambos os gêneros e isolando corredores que ficam na 100ª, na 1000ª ou na 10000ª posição das provas, a velocidade está diminuindo em proporção semelhante.

Divulgação: Run Repeat

A explicação encontrada pelos estatísticos Jens Andersen e Ivanka Nikolova, responsáveis pelo estudo, foi a da piora da saúde em geral dos norte-americanos. Embora eles não possam garantir que essa é a única – ou principal – razão para a diminuição da velocidade média, foi estatisticamente comprovado que obesos, pessoas com diabetes ou hipertensão e quem tem maiores despesas médicas precisam, em média, de um tempo maior para completar as provas.

Divulgação: Run Repeat

Embora no Brasil não exista um estudo dessa proporção, não é presunçoso imaginar que a correlação entre saúde e velocidade na corrida possa ser a mesma.

COMPARTILHAR