É hora de abandonar esses mitos sobre o corpo feminino

Ellie Somers é médica em fisioterapia e proprietária da Sisu Sports Performance e da PT em Seattle

lesão em corredoras
Foto: Shutterstock

Vamos esclarecer uma coisa: mulheres e homens são biologicamente diferentes, mas isso não significa que as mulheres são biologicamente inferiores. Lesão em corredoras acontecem, da mesma forma que são comuns entre os homens.

As mulheres foram condicionadas a acreditar que seus corpos não são adequados por várias razões biológicas. Os motivos incluem hormônios, forma, estrutura e tamanho corporal. Acontece que esse tipo de mensagem negativa sobre o corpo de um corredora pode ser devastador para o seu desempenho. Isso implica que há algo “errado” com o seu corpo. Além disso, que há uma permanência em sua “falha” que resultará em uma vida inteira de dor e lesão.

É errado, enfraquece o poder da mulher e pode ser prejudicial à experiência da corredora. Da minha experiência como fisioterapeuta, aqui estão três mitos que corredores do sexo feminino ouvem sobre seus corpos que devem ser desmascarados.

Exercícios para os pés para evitar lesões

Como evitar dor de cabeça depois de treinar

Mito 1: A largura do quadril é o que causa dor no joelho

Em seu ponto mais amplo, as mulheres tendem a ter uma pelve mais larga que os homens. Mas, ao observar as diferenças estruturais na anatomia óssea, as diferenças não são tão grandes e os corpos das mulheres estão bem adaptados a elas.

A crença de longa data é que os quadris mais largos resultam em um ângulo maior da pélvis em relação ao joelho. Dizem que esse ângulo maior pode levar a mais dor no joelho entre as corredoras.

Essa crença está errada de duas maneiras. Em primeiro lugar, esses ângulos demonstraram ser semelhantes entre homens e mulheres de tamanhos parecidos. Segundo, a pesquisa demonstrou claramente que esses ângulos representam pouco ou nenhum risco de lesão em corredores.

O problema com esse mito implica que a biologia de uma mulher é uma falha evolucionária. Estou aqui para escrever: sua biologia evolutiva não é uma falha.

Então, e as mulheres (e os homens!) que têm dor no joelho ao correr?

A primeira coisa que faço é ajudá-los a acreditar que eles se adaptarão, independentemente de sua forma, tamanho, estrutura ou sexo. Eu sei que isso não é uma maneira rápida de resolver esse problema, mas também sei que é essencial gerar um certo nível de confiança em si mesmo como atleta.

Neste caso, isso significa que se as mulheres nascem com quadris mais largos, é melhor você acreditar que nascemos com a capacidade evolucionária de correr com esses quadris e ficar bem.

Jornalista começa a correr depois dos 30 e conquista 30 pódios em três anos

Mito 2: mulheres usam mais o quadril e é por isso que eles têm dor no joelho.

Muitas vezes quando vejo uma mulher fazendo agachamento ela tenta evitar que os joelhos se movam sobre os dedos dos pés. Quando eu pergunto por que ela se agacha dessa maneira, ela diz: “Porque fulano me disse que preciso de mais força de glúteo”.

Essa crença é baseada na suposição de que, se você levar seus quadris para trás o suficiente, seus glúteos dispararão mais e não haverá tanta “ativação” dos músculos do quadríceps.

A ironia disso é que a fraqueza do quadríceps demonstrou ser um potencial preditor de dor no joelho em corredores. É plausível que, ao evitar o uso dos músculos do quadríceps, você esteja perpetuando suas dificuldades com a corrida.

Dois dos melhores tratamentos para dor no joelho em corredores são o fortalecimento do quadril e do joelho. Aqui estão dois exercícios que eu recomendo para os corredores que visam o quadril e joelho.

  • Comece em pé com uma faixa ao redor dos tornozelos com os joelhos ligeiramente flexionados, as mãos cruzadas à sua frente;
  • Mude o peso para a perna esquerda e pise o pé direito para a direita em uma diagonal atrás de você, mantendo todo o seu peso na perna esquerda.
  • Complete 10 a 12 repetições e repita com a perna direita.
  • Fique em pé com o pé esquerdo na borda de um banco ou caixa, enquanto o pé direito está erguido;
  • Leve os quadris para trás e dobre o joelho esquerdo para agachar na perna esquerda sem transferir seu peso para o chão;
  • Pressione para levantar enquanto você leva o joelho direito para o alto, como uma marcha;
  • Complete 10 a 12 repetições e depois repita do outro lado.

Mito 3: Ter um bebê faz com que as mulheres tenham juntas instáveis

Não há como negar que ser capaz de ter um bebê é uma grande diferença física e biológica entre mulheres e homens. O que podemos negar, porém, é que a gravidez lhe põe em perigo por causa de mudanças hormonais e biológicas em seu corpo.

De fato, um estudo descobriu que, entre mulheres corredoras competitivas, havia pouco impacto percebido na corrida durante a amamentação.

Ultramaratonista amamenta o filho durante prova e registro emociona 

Gravidez e amamentação causam a liberação de um hormônio chamado relaxina; este é um processo normal e não perigoso. Culpar as alterações hormonais na experiência de uma mulher com dor ou lesão é prejudicial à sua percepção de si mesma. Afinal, se as mulheres grávidas e em pós-parto deveriam parar de correr por causa de mudanças hormonais, então devemos dizer às meninas para não se exercitarem durante a puberdade e às mulheres de meia-idade que parem de se exercitar durante a menopausa. É sem sentido. A ideia de que ter um bebê causa fragilidade pode fazer com que a mulher se sinta impotente.

É claro que corredores do sexo feminino se machucam. As chaves para o combate de lesões são as mesmas para todos os corredores, mulher ou homem: incorporar um treinamento de força progressivo; permanecendo consistente em suas práticas de treinamento; priorizando a recuperação; e buscando ajuda de uma pessoa em quem você confia.

Lembre-se: você vai se adaptar. As diferenças biológicas e estruturais de um homem não são indicativas do seu potencial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here