Enxaguante bucal pode diminuir benefícios do treino

Por Selene Yeager, da Bicycling US

Enxaguante bucal pode diminuir benefícios do treino
Foto: Shutterstock

Você já sabe que o exercício ajuda a baixar a pressão arterial. Mas você provavelmente não sabe como isso acontece. Justamente porque, durante anos, os cientistas também não tinham descoberto. Agora, eles encontraram a resposta no lugar mais improvável: sua boca. As bactérias que vivem lá ajudam a manter a pressão baixa após o exercício. E se você matar esses insetos microscópicos, também estará jogando isso pelo ralo. Por isso, o enxaguante bucal pode diminuir os benefícios do treino. Pelo menos é o que um novo estudo publicado na Free Radical Biology and Medicina sugere.

Treino de força é bom em qualquer idade, diz estudo

Além disso, ainda é provável que o produto prejudique seu desempenho pelos mesmos motivos. Veja o que você precisa saber: 

Como o enxaguante bucal pode diminuir os benefícios do treino

Os pesquisadores fizeram 23 homens e mulheres saudáveis ​​realizarem dois testes de 30 minutos em uma esteira. Durante a primeira sessão, os voluntários fizeram uma corrida e enxaguaram a boca com um enxaguante bucal (0,2% de clorexidina) ou com um placebo de menta. Na segunda sessão, eles repetiram o teste em esteira, trocando os produtos que usavam. Nem os corredores nem os pesquisadores sabiam qual líquido cada participante tinha utilizado. 

Os cientistas mediram a pressão sanguínea dos corredores e coletaram amostras de sangue e saliva antes de cada sessão. Depois, repetiram novamente a ação duas horas após os exercícios.

Quando os corredores lavaram a boca com o placebo sabor menta, suas pressões arteriais sistólicas (o nível mais alto de pressão que o coração exerce para fazer o sangue circular) foram reduzidas em média 5,2 mm/Hg por até uma hora depois do exercício. 

Quinoa ou arroz: qual é a opção mais saudável?

Mas quando eles utilizaram o enxaguante bucal antibacteriano, o efeito benéfico do exercício foi menor. A pressão sanguínea caiu em 2 mm/Hg no mesmo período. E o pior:  esses efeitos não apenas diminuíram em mais de 60% como também desapareceram completamente depois de duas horas. 

E aqui está o mais importante: os níveis de nitrato no sangue não aumentaram após o exercício quando os corredores usaram o enxaguante bucal antibacteriano – só aumentaram quando usaram o placebo.

O que isso significa?

“Pela primeira vez, mostramos que as bactérias orais desempenham um papel fundamental nos efeitos cardiovasculares do exercício. Especialmente a vasodilatação e a pressão arterial mais baixa após o esforço”, disse o principal autor do estudo Raúl Bescós, professor de dietética e fisiologia na University of Plymouth, no Reino Unido, à Bicycling US.

Entenda como funciona: quando você se exercita, as células dos vasos sanguíneos e dos músculos produzem óxido nítrico, o que dilata os vasos para aumentar o fluxo de sangue para as regiões em movimento. Esse efeito continua após o treino e você desfruta de uma resposta para baixar a pressão arterial chamada hipotensão pós-exercício.

“Temos a hipótese de que o nitrato formado durante o exercício pode ser absorvido pelas glândulas salivares e secretado na boca (onde as bactérias de lá podem reduzi-lo a nitrito) durante o período de recuperação após o exercício”, disse ele. “Uma vez que o nitrito é ingerido, uma pequena porção é rapidamente levada para a corrente sanguínea e pode formar novo óxido nítrico. Este, por sua vez, ajuda no suprimento de sangue para os tecidos anteriormente ativos”.

Pessoas pessimistas vivem menos, aponta pesquisa

“Pense nesses bichinhos da boca como a “chave” para dilatar os vasos sanguíneos”, disse o co-autor do estudo, Craig Cutler, em um comunicado à imprensa. Sem eles, seu corpo não pode produzir o nitrito necessário para relaxar os vasos sanguíneos e diminuir a pressão sanguínea.

Conclusões

Embora este estudo tenha examinado o efeito agudo do uso de enxaguante bucal imediatamente após o exercício, pesquisas anteriores sugerem que provavelmente também há um efeito crônico. Como Cutler disse no comunicado, estudos anteriores chegaram a encontrar uma relação entre o enxaguante bucal antibacteriano e um aumento da pressão sanguínea enquanto você descansa.

Além disso, por mais que a pesquisa não tenha analisado os nitratos da dieta – por exemplo, suplementos de suco de beterraba, que muitos corredores usam para aumentar a resistência -, o mesmo mecanismo pode mexer com sua pressão arterial e colocar seu desempenho em risco. 

Se você usa enxaguante bucal antibacteriano e toma uma dose de suco de beterraba, pode não receber o benefício ergogênico que aumenta a circulação. “O enxaguante bucal reduz a capacidade das bactérias de converter nitrato em nitrito. Isso foi demonstrado por estudos anteriores”, afirmou Raúl.

Afinal, quanto café é muito café? Vejam o que dizem os especialistas

Contudo, ainda não é possível saber se o enxaguante bucal pode interferir no desempenho real do exercício. 

“Não temos evidências suficientes até o momento”, disse Raúl. “No entanto, assim como o enxaguante bucal pode reduzir benefícios do treino, ele pode prejudicar a resposta cardiovascular associada ao exercício. O que, por sua vez, pode ter efeitos prejudiciais no desempenho do exercício. Precisamos de mais estudos para investigar a questão mais detalhadamente.”

Enquanto isso, eles recomendam evitar enxaguantes bucais antibacterianos logo após o treino. A menos que tenha sido prescrito por um médico ou dentista. “Uma dieta saudável e exercícios são as melhores abordagens para garantir a boa performance”, disse ele. “Evitar fumar e consumir álcool e açúcar também podem ajudar substancialmente.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here